Blog Clara Nunes: Fevereiro 2012

28 fevereiro 2012

Artista e fã de Clara Nunes presta Homenagem à guerreira


O Blog voz de Ouro presta uma homenagem ao artista Décio Oliveira,Professor que gosta de conversar sobre assuntos relacionados ao mundo da arte,de gente que orienta seu impulso criativo em direção à arte, transformando a sensibilidade em bom senso, em beleza, conforto e funcionalidade... Fã de Clara Nunes há um bom tempo e que trazemos a sua criatividade em pinturas que fez a partir de seus próprios desenhos e adicionando ao conteúdo de suas obras às de outros artistas.


                                                 Axel Sande



                                                Bosco



                                              Decio Oliveira


                                                Decio Oliveira

                                               Decio Oliveira


                                               Decio Oliveira



                                               Decio Oliveira



                                               Decio Oliveira




                                               Decio Oliveira



                                              Decio Oliveira



                                              Elifas Andreato




                                              J.Pinheiro



                                              Luiz Jasmim




                                              Novaes



                                              Paula Dubgel



                                              Tanile Maria

Parabéns,Decio!

23 fevereiro 2012

Canto da Alvorada é bicampeã do carnaval de BH

Integrantes da escola festejaram dentro da Câmara Municipal de Belo Horizonte


Após uma apuração tumultuada, foram definidos os vencedores do carnaval BH 2012. O vencedor do desfile das escolas de samba foi a Canto da Alvorada, que também venceu no ano passado. Já nos blocos caricatos, o Por Acaso foi o grande vencedor. A contagem aconteceu na tarde desta quarta-feira de cinzas, na Câmara Municipal de Belo Horizonte. A apuração começou com os blocos caricatos. O bloco Por Acaso foi o vencedor do Grupo A com 94,1 pontos, somente um décimo a mais que o segundo colocado Mulatas do Samba, que ficou com 94 pontos. Inconformados com o segundo lugar os integrantes do grupo começaram um discussão com os integrantes do bloco vencedor. Eles questionavam uma possível combinação de resultados. Integrantes de dois blocos entraram em confronto após a divulgação dos vencedores A contagem dos votos para o desfile das escolas de samba começou logo em seguida. A vencedora do Grupo A foi Canto da Alvorada, que ficou com 193,1 pontos. Em segundo lugar ficou Chame Chame com 189,9 pontos. A escola rebaixada ao Grupo B foi Bem Te Vi. No Grupo B somente uma escola desfilou e, para que ela vencesse, não poderia zerar nenhum quesito. A escola vencedora foi a Estrela do Vale.


                                  imagem do carro representante de Clara Nunes.



http://www.em.com.br/app/noticia/especiais/carnaval/2012/02/22/noticias_internas_carnaval,279483/canto-da-alvorada-e-a-campea-do-carnaval-de-bh.shtml

22 fevereiro 2012

Unidos do Ladeira vence Carnaval em Juiz de Fora, MG

Com o enredo Clara, Clareia, Clareou, que homenageou a cantora Clara Nunes, a Unidos do Ladeira se tornou campeã do Carnaval de Juiz de Fora. Foto: Angelo Savastano/vc repórter



Com o enredo "Clara, Clareia, Clareou", que homenageou a cantora Clara Nunes, a Unidos do Ladeira
 se tornou campeã do Carnaval de Juiz de ForaFoto: Angelo Savastano/vc repórter
A escola de samba Unidos do Ladeira conquistou seu décimo título do Grupo A do Carnaval de Juiz de Fora, em Minas Gerais, em apuração realizada nesta terça-feira, 21. A escola, que levou à Passarela do Samba o enredo "Clara, Clareia, Clareou", reedição do samba de 1984, repetiu a conquista de 28 anos atrás - naquele ano, porém, o título veio no Grupo B. Além de 2012, a Unidos do Ladeira venceu em 1988, 1996, 1998, 2001, 2004, 2005, 2008, 2009 e 2010. A escola era a atual vice-campeã: em 2011, ficou atrás somente da Mocidade Alegre de São Mateus. Neste ano, o vice ficou com a Real Grandeza. A reedição do enredo ocorreu já que a homenageada, a cantora Clara Nunes, faria 70 anos em 2012. Ela era conhecida como "A Guerreira". A escolha se mostrou correta, já que o desfile ganhou nota 10 em todos os quesitos.

http://diversao.terra.com.br/carnaval/2012/noticias/0,,OI5626311-EI19415,00-vc+reporter+Unidos+do+Ladeira+vence+Carnaval+em+Juiz+de+Fora+MG.html

20 fevereiro 2012

Obrigado,TUIUTI!


Nós do Voz de Ouro agradecemos o Desfile da Escola que tão bem representou a história de Clara Nunes na Sapucaí!
Elegante,rico e expressivo levou Clara VIVA na Avenida onde ela, durante tantos anos, desfilou com alegria e dedicação!
Nosso reconhecimento pelos meses de luta e trabalho!
OBRIGADO
Neide,Márcio,Maria Gonçalves,Sandra Rodrigues e todos os seus fãs! 

                                                      O ESQUENTA DA BATERIA
PARTE 1
                                                                    PARTE 2
                                                                   PARTE 3
                                                                  PARTE FINAL

Portela levanta a arquibancada com homenagem à Bahia

A Portela balançou as arquibancadas do sambódromo do Rio de Janeiro na noite deste domingo (19). O desfile sobre a fé e as festas populares da Bahia contagiou o público e transformou a Sapucaí em uma grande festa popular baiana. Segunda escola a se apresentar, o desfile da Portela teve um gosto especial para os integrantes, que vibravam com a beleza e o sucesso do samba. Além de estar em jejum de vitórias há mais de 20 anos, a escola sofreu com o incêndio que prejudicou seu desfile em 2011. Para trazer sorte, a escola cantou a fé da Bahia com o enredo É o Povo na Rua Cantando. É feito Uma Reza, um Ritual. A comissão de frente "Quero Vestir A Roupa da Santidade" mostrou os orixás do candomblé, evocados por filhos e mães de santo. Entre eles, o ator Milton Gonçalves representou um babalorixá. A comissão trouxe um tripé representando as igrejas barrocas baianas, de onde saíam os orixás fantasiados. A ideia do carnavalesco era mostrar o sincretismo religioso da Bahia. O carro abre-alas trouxe, além de uma grande águia dourada segurando um patuá, os cantores Paulinho da Viola e Marisa Monte como destaque. A cantora simbolizava Clara Nunes, sambista que foi integrante da escola e que conduz o enredo da escola. Logo em seguida, a ala "Olhai seus filhos com olhar sereno" apresentou uma coreografia com as vassouras utilizadas nas lavagens da Igreja do Bonfim, retratada no segundo módulo do carro alegórico. A alegoria contou com 50 mil fitinhas do Senhor do Bonfim amarradas nas laterais do carro. Segundo o carnavalesco Paulo Menezes, elas foram benzidas pelo padre da igreja e por mães de santo de Salvador. Além das fitinhas, diversas baianas compunham a alegoria. A ala "Alma em Festa da Nossa Cidade" mostrou a fé pelo santo, que é o mais querido dos baianos. Da Lavagem do Senhor do Bonfim, a Portela partiu para a Festa de Iemanjá, outra celebração religiosa típica da Bahia. As alas mostraram os presentes oferecidos pelos fiéis à orixá conhecida como rainha do mar. De azul e verde claro, a ala das baianas "Minha Sereia É a Rainha do Mar" também reverenciou Iemanjá, que foi destacada na segunda alegoria, "Como Saúda a Rainha do Mar". As influências africanas da Bahia foram lembradas nas alas, com referências à cultura negra e ao Ilê Ayê, o primeiro bloco composto por negros de Salvador. A terceira alegoria, "Abram Espaço Nesta Sagrada Caminhada", destacou a religião como maior herança do continente herança. O carro contou com integrantes do Balé Folclórico da Bahia, que faziam performances e danças afro. Logo em seguida, a bateria vestida de Filhos de Gandhy cobriu de branco a passarela. O carnavalesco optou por incluir uma ala atrás da bateria com a mesma fantasia, para dar a dimensão que o bloco Filhos de Gandhy tem no Carnaval de Salvador. Além disso, a bateria se destacou pelos atabaques utilizados para dar um toque da percussão baiana ao samba portelense. A ala "Tá No Batuque Que Balança Nego" lembrou o balanço da música baiana e foi a ala mais colorida da Portela, destacando as cores amarelo, azul, vermelho e amarelo. "Abre alas Porque o Olodum Chegou" foi outra a ala que destacou a percussão baiana do grupo conhecido internacionalmente. A quarta alegoria, "O Canto da Cidade", reproduziu os casarões, ladeiras, largos e escadarias do Pelourinho e teve Daniela Mercury como destaque. A cantora precisou alterar as datas de sua apresentação no Carnaval de Salvador para estar presente no desfile. Além dela, o carro também lembrou a banda Timbalada, dispondo os integrantes em uma grande escadaria com as roupas do grupo. Tambores do Olodum compõem as laterais da alegoria. Nas alas, a Portela lembrou outras manifestações culturais baianas, como o Zambiapunga, e a Festa de Santo Amaro da Purificação, que acontece no Recôncavo baiano. A alegoria de apoio "A Casa é Sua Dois Dois", com bonecos e carrinhos como decoração, lembrou a festa de Cosme e Damião, santos gêmeos festejados no estado. Os atores Fábio Lago e Fabrício Boliveira representaram os santos. As festas juninas foram o tema da quinta alegoria, "E Hoje é o Aniversário de São João", que apresentou um grande boneco lembrando Gilberto Gil com uma sanfona. Nas bordas do carro, alguns casais dançavam forró. Em seguida, a ala "Toda Festa de Um Povo" lembrou o espírito de festa do povo baiano. Para fechar o desfile, a Portela lembrou nas alas outros sambas enredo em que celebrou festas populares brasileiras. O último carro alegórico trouxe imagens dos orixás baianos nas laterais, saudando a Velha Guarda da Portela. Além dos sambistas, o carro também trouxe a cantora Vanessa da Matta representando Clara Nunes.












SALVE O SAMBA,SALVE A SANTA E SALVE CLARA NUNES!


http://www.jb.com.br/carnaval-2012/noticias/2012/02/20/portela-levanta-a-arquibancada-com-homenagem-a-bahia/


17 fevereiro 2012

A Bandeira de Clara Nunes tremula hoje pela sua Portela desejando axé!



Portela de tantos carnavais.Sorriso de tantas alegrias.Paixão e amor pela Escola que impulsionava as batidas de seu coração,num mundo bem melhor do que esse em que vivemos, onde o samba era praticado sem muita apelação ou frescura,sem subterfúgios,aquele que entrava pelos ouvidos e saia pelos pés,com trânsito em alta-voltagem,tal qual uma corrente elétrica que vai aumentando de intensidade até que se descarrega,e cantado por ela, que soltava a sua voz na Avenida,num compasso que mais parecia uma reza,um ritual. Hoje, essa mesma Escola, vai levar a sua imagem condutora para a Sapucaí onde eu sei que você estará participando dessa festa descomunal e sambando como Majestade, e seus súditos guerreiros, a aplaudirem e a se emocionarem com a sua presença imortal e inesquecível!
SALVE O SAMBA,SALVE A SANTA E ...SALVE ELA...O SABIÁ ETERNO! Que você leve a sua luz para a sua Escola de coração e que ela traga o merecido prêmio que não acontece desde que você partiu,para além do luar,onde moram as estrêlas!


Essa é a Bandeira de Clara Nunes,empunhada por ela tantas vezes e guardada para sempre.
Acervo da Jornalista Neide Pessoa

Dudu Nobre e Ana Mametto puxam bloco Alerta Geral no Campo Grande

Arlindo Cruz também subiu ao trio para cantar hitts de samba. Figurino de Mametto foi inspirado em Clara Nunes, diz cantora.

Dudu Nobre e Ana Mametto puxam o bloco Alerta Geral na noite desta quinta-feira (16), em Salvador (Foto: Glauco Araújo/G1)

Um time de peso puxou o desfile do Alerta Geral, bloco de samba que há 16 anos marca presença no carnaval de Salvador. Arlindo Cruz, Dudu Nobre, Ana Mametto e o grupo Fora da Mídia foram os convidados da noite desta quinta-feira, 16. O músico e compositor carioca, Arlindo Cruz, chegou com uma hora de atraso, mas ainda em tempo de pegar o início do percurso no circuito Osmar (Campo Grande) para satisfação dos associados, todos vestidos com traje de sambista, como de costume. Ana Mametto - nome de origem africana que significa mãe de todos - veio à avenida com um belo vestido dourado, que deixava sua boa forma a mostra. O figurino foi inspirado em Clara Nunes, que completaria 70 anos em 2012. "Quando recebi o convite do bloco, não resisti. É uma mulher que influenciou muitas cantoras", disse Mametto. Recentemente, a cantora baiana regravou a canção "Nanaê Nanã Naiana", do compositor carioca Sydnei da Conceição, membro da velha guarda da Estácio de Sá, interpretada por Clara Nunes na década de 1970. "Sou apaixonada por ela", completou. Samba Na linha de frente, o Alerta Geral trouxe uma ala de baianas vestidas com traje em richelieu, bordado típico das religiões de matriz africana, e uma ala de sambistas da velha guarda do bloco, com tamborim e reco-reco. No repertório, clássicos como "Aquarela brasileira", samba famoso na voz de Lecy Brandão, e "Vai lá, vai lá", do Fundo de Quintal. Arlindo Cruz chegou puxando "Coisinha do pai", canção de Jorge Aragão, bastante executada na voz de Beth Carvalho. Logo em seguida emendou "Griselda", composição feita para o personagem de Lilian Cabral na novela Fina Estampa, da TV Globo. Grande parte do repertório do Alerta Geral remete às canções dos principais sambistas brasileiros - Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Almir Guineto - frequentadores do Cacique de Ramos, clube carioca considerado a mais tradicional escola de samba do Brasil. “É por isso que venho todo ano. O bloco é a alegria no carnaval. O samba é um ritmo que tem zoada, mas também muito amor", conta o folião Carlos Madrugada, 61 anos. Madrugada e sua esposa, Licia Maria, 57 anos, saem no Alerta desde 1995, ano de fundação do bloco.


Ana Mametto usou figurino para homenagear Clara Nunes no bloco Alerta Geral (Foto: Glauco Araújo/G1)
http://g1.globo.com/bahia/carnaval/2012/noticia/2012/02/dudu-nobre-e-ana-mametto-puxam-bloco-alerta-geral-no-campo-grande.html

Carnaval 2012



Abrindo a temporada de homenagens do Carnaval 2012 a escola de samba Paraíso do Tuiuti vem com o enredo " A tal mineira" ,no sábado na Sapucaí. No domingo a Portela pede passagem com o enredo" E o povo na rua cantando é feito uma reza um ritual" com Clara sendo a anfitriã da passarela levando o povo a conhecer a Bahia...Em Belo Horizonte na segunda-feira de carnaval a escola de samba Canto da Alvorada prestigia a mineira no enredo homenagem aos 70 de Clara Nunes.
Desejamos à todas as agremiações boa sorte e muito sucesso em seus projetos.
O blog estará acompanhando e breve traremos notícias.
Bom carnaval a todos!

16 fevereiro 2012

Escolas de samba mirins abrem carnaval no Sambódromo do Rio de Janeiro


A Nova Passarela do Samba será palco dos desfiles das escolas de samba mirins, que acontecem nesta sexta-feira, com início às 17h. A Petizada abre oficialmente os desfiles no carnaval 2012. Cerca de quarenta mil crianças e jovens com idade entre 05 e 18 anos desfilarão abrindo oficialmente o a folia no Rio de Janeiro. O público terá entrada liberada em todos os setores de arquibancadas.

Confira a ordem dos desfiles:

 1 – Inocentes da Caprichosos
 2- Aprendizes do Salgueiro
 3- MEL do Futuro
 4- Infantes do Lins
 5- Corações Unidos do Ciep 
 6- Ainda Existem Crianças de Vila Kennedy
 7- Nova Geração do Estácio de Sá
 8- Império do Futuro 
 9 – Herdeiros da Vila 
10 – Filhos da Águia 
11 - Miúda da Cabuçu 
12 – Pimpolhos da Grande Rio 
13 – Mangueira do Amanhã
14 - Planeta Golfinhos da Guanabara
15 – Tijuquinha do Borel 
16 – Petizes da Penha 
17 – Estrelinha da Mocidade

Famosos prestigiam desfiles da criançada

Personalidades e sambistas de renome participarão do carnaval feito pela criançada. Gracyane Barbosa estará apresentando a rainha da bateria da escola mirim Tijuquinha do Borel. Alex Ribeiro desfilará no Império do Futuro, escola que prestará homenagem aos cantores Roberto Ribeiro e Clara Nunes com o enredo:"Todo Menino é um Rei e Toda Mulher é Guerreira".


http://www.oterminal.com.br/carnavalesco/detal_carnavalesco.php?car_id=2304

15 fevereiro 2012

Dorina e Luiza Azevedo homenageiam o bairro de Madureira


A portelense Dorina e a imperiana Luiza Dionízio soltam as vozes, hoje, às 19h30 no palco do Teatro Rival Br. O Show ” O Meu Lugar: Madureira, homenageia o bairro e o samba surgido no local , desde o século XIX. A cantora Clara Nunes será lembrada pelos setenta anos que completaria neste ano e como a grande intérprete que homenageou as duas escolas, com os sambas Serrinha e Portela na avenida (ambas de Paulo César Pinheiro, Mauro Duarte). O show será encerrado com os sambas enredo das duas agremiações deste ano, no esquentar dos tamborins para as emoções do desfile no final de semana. Madureira, é o meu lugar.

Serviço: Teatro Rival Petrobras Dia 15/02 – Quarta – feira às 19h30 Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Cinelândia Preço: R$ 40,00(Inteira) R$ 30,00( Os 200 primeiros pagantes) R$ 20,00(Meia)

                           Clara Nunes no Enredo
                     Das Maravilhas do Mar se fez o
                        Esplendor de Uma Noite
                                  Portela 81


13 fevereiro 2012

O memorial


foto: Romário Vicente

Quase pronto o Memorial Clara Nunes em Caetanópolis-MG, terra natal da mineira. O espaço, doado pelo seu sobrinho Sued Gonçalves, afilhado de Clara será inaugurado em agosto, durante o Festival Cultural Clara Nunes, data de aniversário e comemoração dos seus 70 anos. Esta semana o memorial recebeu a foto da fachada, uma bela foto da cantora que será para sempre lembrada por sua cidade.
O prefeito Romário Vicente esteve recebendo autoridades políticas envolvidas com a construção do memorial e restauração da casa onde Clara nasceu, doada recentemente pela fábrica de tecidos Cedro Cachoeira, onde a menina Clara tecelã deu os primeiros passos na vida profissional.

12 fevereiro 2012

Canto da Alvorada tera irmã de Clara Nunes em seu abre alas.



O GRES. Canto da Alvorada , recebeu ontem em seu barracão a ilustre presença da Irmã de Clara Nunes D. Mariquita, a "Dindinha", que criou Clara Nunes após a morte dos pais. Também estavam presentes o Sr. Romário, Prefeito da cidade de Caetanópolis, onde Clara Nunes nasceu, a Secretária de Cultura da cidade, Adriana, entre outros convidados que também desfilarão na escola. Com presença confirmada no carro abre alas da escola a irmã de Clara, contou histórias, ouviu o samba e se emocionou ao ver as alegorias e o carro que a levará pela avenida. Fez segredo sobre a roupa que ira usar, apenas informou que sera feita na cidade onde Clara nasceu. Um abre alas de luz, com muita energia positiva é o que podemos esperar da Canto da Alvorada neste carnaval.


http://carnavalbh2.blogspot.com/2012/02/canto-da-alvorada-tera-irma-de-clara.html

11 fevereiro 2012

Clara, o canto como uma missão

No ano em que a sambista completaria 70 anos, sua trajetória é lembrada
Priscila Brito 11/02/2012




                                       Ligação com religiões afro 
                                       ajudou a romper 
                                       com o preconceito 


Quando, no domingo (19), a Portela adentrar a Marquês de Sapucaí evocando Clara Nunes para conduzir o enredo que fala da religiosidade da Bahia, será a primeira de muitas vezes que o nome da “tal mineira” virá à tona este ano. Clara completaria 70 anos em 2012 se tivesse resistido às complicações de uma cirurgia de varizes, em abril de 1983. Contemporânea de outros setentões, como Roberto, Caetano e Gil, Clara faz parte hoje desse grande time da música brasileira. “Quando eu ouvi a Clara cantar, vi que estava diante de uma celebridade. Ela já nasceu feita”, relembra o compositor Jadir Ambrósio, que apresentou a moça de Caetanópolis a radialistas de BH ao ouvi-la cantar em uma festa de igreja no bairro Renascença, ajudando a desencadear sua carreira. Daí, viria o estrelato, mas não só. Primeira cantora a vender mais de cem mil cópias, rompendo com uma crença do mercado fonográfico segundo a qual mulheres não vendiam discos no Brasil, Clara deixou marcas permanentes no samba, onde se consagrou, depois de iniciar a carreira gravando boleros e o pop da Jovem Guarda. “O samba feminino se divide entre antes e depois de Clementina de Jesus, Beth Carvalho, Dona Ivone Lara e Clara. Elas são o baluarte da mudança no mundo machista do samba em aceitar mulheres como participantes do processo criativo”, observa Anderson Gonçalves, editor do portal Ocê no Samba, que trata do gênero em Minas. Assumir no figurino, no repertório e na performance as religiões afro-brasileiras foi um marco, e não apenas a criação de um ícone visual. Também teve seu viés político, em plena década de 1970, quando a linha de frente da música brasileira bradava contra os ditadores, na análise da historiadora Sílvia Brugger, da Universidade Federal de São João Del Rei. “Talvez não fosse uma militância tão explícita como a do Chico. Mas ao se afirmar como adepta dos orixás e levar isso pro palco, ela contribuiu para quebrar preconceitos em relação à questão religiosa e à identidade negra”. Clara, por sua vez, sugeria ter os pés no chão diante do legado artístico que construía. Dona Mariquita, irmã mais velha que assumiu o papel de mãe depois da morte dos pais, conta que Clara lhe fez uma confissão no último Natal que passaram juntas, em 1982. “Ela disse que se algum dia fosse rejeitada, não tivesse gravadora, já tinha a ideia de trabalhar com crianças e abrir uma creche”, revela. O plano não era só questão de realismo, mas também uma forma de amenizar a frustração por não ter realizado o sonho de ser mãe, impedido por um mioma que provocou abortos e a retirada do útero. Mesmo assim, Clara gerou algumas “filhas”, ao transformar-se em matriarca de uma linhagem de cantoras. “Muitas cantoras de samba, você vê que buscam a Clara no jeito de vestir e entoar a voz. Ela está no olimpo como a maior intérprete do samba”, conclui Anderson.

Três escolas lembram cantora 

Portela, eu nunca vi coisa mais bela”. Os versos escritos por Paulo César Pinheiro para que Clara Nunes homenageasse sua escola do coração vão ser retribuídos pela agremiação de Madureira este ano. Com um enredo que trata da religiosidade da Bahia, a Portela fará referência a Clara – assumidamente adepta das religiões afro-brasileiras – na letra do samba e na avenida, no domingo (19). Chamada de guerreira nos versos de “Pequena Prece ao Senhor do Bomfim”, na Sapucaí será representada pela cantora Vanessa da Mata, cujo visual remete ao da homenageada. Outras duas escolas abordarão Clara em seus desfiles deste ano. Ainda no Rio, no grupo de acesso, a Paraíso do Tuiuti abre o sábado de Carnaval com o enredo “A Tal Mineira”. A atriz Patrícia Costa, neta de um dos fundadores da Portela, Cláudio Bernardo da Costa, representará Clara na avenida. A cantora também vai ser lembrada em BH. A escola Canto da Alvorada traz este ano o enredo “É Cheiro de Mato, É Terra Molhada, É Clara Guerreira, Lá Vem Alvorada”. O desfile da escola está previsto para as 22h25 da segunda (20) na, avenida dos Andradas, entre os viadutos da Floresta e de Santa Tereza.

Memorial deve sair em agosto



                      Uma das propostas do memorial 
                      é ter uma sala para projeções de shows


Não é lugar-comum dizer que é um sonho antigo da família de Clara Nunes criar um museu para homenagear a artista. Desde 1987, há 25 anos, quando todo o acervo de Clara foi enviado do Rio de Janeiro para os cuidados da família, em Caeta-nópolis (a 100 km de Belo Horizonte), que os parentes buscam recursos para concretizar a ideia. Finalmente a espera dá sinais de ter acabado. Está prevista para agosto deste ano, quando se completam os 70 anos do nascimento da cantora, a inauguração do Memorial Clara Nunes, em sua cidade natal. Junto com o Centro Cultural Clara Nunes, já em funcionamento, e com o restauro da casa onde Clara viveu na infância, o memorial deve compor uma espécie de “complexo turístico” em torno da cantora. O imóvel, uma casa de 200 metros quadrados doada por Sued Gonçalves, um dos sobrinhos de Clara, já se encontra em obras, orçadas em aproximadamente R$ 250 mil, segundo a família. Os recursos são do governo do Estado, liberados em 2010 por uma emenda da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Dona Mariquita, irmã mais velha de Clara, conta que durante todos esses anos bateu na porta de muitos, mas não conseguiu nada. “Eu acho que a consciência cultural uns 15, 20 anos atrás ainda não era forte como é hoje”, diz, tentando explicar as tentativas frustradas de levar a obra à frente. Em 2001, um projeto de lei da assembleia legislativa determinando a construção do museu e a captação de verbas para sua viabilização foi aprovado, mas não prosperou. “O projeto praticamente caducou. Foram três anos e não conseguimos os recursos. Acho que foi por causa do custo total, de R$ 400 mil. Não houve interesse imediato das empresas”, comenta Márcio Guima, sobrinho de Clara. O acervo que deve vir a público este ano é constituído por aproximadamente 8.000 itens. São fotografias, adereços, imagens religiosas, documentos pessoais, partituras de músicas, figurinos de shows, fantasias da Portela e troféus. Dada a grande quantidade de peças, os futuros visitantes não verão todo o material de uma só vez, antecipa a historiadora Sílvia Brugger, da Universidade Federal de São João Del Rei, responsável pela catalogação e preservação do acervo. “Como o acervo é muito rico, a ideia é que a gente possa ciclicamente ir refazendo a exposição. É interessante pra quem vai visitar porque tem sempre algo novo pra ver. Do ponto de vista da preservação, o objeto pode ser guardado, higienizado e ganha uma sobrevida”.

Festival 

 A prefeitura de Caetanó-polis trabalha para que a inauguração do memorial ocorra durante o Festival Clara Nunes, evento dedicado à música realizado na cidade em agosto, desde 2006. Outra promessa para o festival é a abertura para visitação da casa onde Clara nasceu. Doada ao município no fim do ano passado, ela será restaurada e mobiliada com móveis e objetos do período em que a cantora a habitou, entre os anos 1940 e 1960. Paulinho da Viola e Alcione são alguns dos nomes sondados para a edição deste ano. A Velha Guarda da Portela, sempre presente no festival, e amigos pessoais de Clara, também devem ser convidados para a inauguração.

Internet guarda raridades

Como já vem virando regra em efemérides de grandes nomes da música brasileira, os 70 anos de Clara Nunes vão ser celebrados com lançamentos em áudio e vídeo no mercado (veja abaixo). O material, parte dele pouco conhecido do público, vai dividir espaço com raridades da cantora que povoam o You Tube. Uma busca menos apressada no site de vídeos dá acesso a preciosidades como um ensaio de Clara para o show “Sabiá, Sabiô”, de 1972, e uma apresentação no auditório do Maksoud Plaza, em meados dos anos 1970, com o conjunto Nosso Samba, que acompanhava a artista ao vivo. Há ainda imagens de Clara na última vez em que desfilou pela Portela e entrevistas concedidas a Leda Nagle, no “Jornal Hoje”, e à Marília Gabriela, no “TV Mulher”.

“Ê Baiana”

 Por trás deste garimpo virtual está a carioca Sandra Rodrigues, fã de Clara desde “uma certa manhã de 1971”, quando ligou o rádio e ouviu a voz da cantora pela primeira vez, em “Ê Baiana”. O canal que ela mantém no You Tube soma cerca de 700 vídeos de Clara, com material proveniente de seu acervo pessoal ou de contribuições de outros fãs. Além do canal no site, Sandra alimenta dois blogs, uma página no Facebook, uma comunidade no Orkut e um perfil no MySpace e no Twitter com informações sobre a mineira. O trabalho na rede, feito há três anos, mira as novas gerações, mas também busca preencher a ausência de Clara nos meios de comunicação. “Após sua morte, um silencio enorme pairou na mídia. Nada mais se falava sobre o assunto, sequer a divulgação de suas músicas. Parecia que ‘enterraram’ junto com ela a sua obra. Eu e os fãs que nunca a esqueceram ficávamos tristes com isso até que apareceu a internet e a forma de colocá-la de volta à memória do brasileiro”.


09 fevereiro 2012

Clara Nunes no carnaval 2012



No ano que se comemora os 70 anos de nascimento de Clara Nunes, 3 grandes escolas de samba estarão homenageando-a em 2012. São elas: Portela, Paraíso do Tuiuti( 2ºgrupo) e Canto da Alvorada, campeã de 2011 em BH. O blog estará acompanhando todos os desfiles no Rio e em BH juntamente com os familiares de Clara. Belas homenagens num ano cheio de "claridade"!
Ouça o samba da Canto da Alvorada, aliás um dos mais belos já feitos para Clara Nunes.

07 fevereiro 2012

Alessandra Terribili e Banda Feira de Mangaio apresentam TRIBUTO À CLARA NUNES

                                               Alessandra Terribili

                                      Banda Feira de Mangaio

A banda Feira de Mangaio - Alessandra Terribili na voz, Diego Dewes no violão, Juliana Charão e Rosemar Silva na percussão - desembarca em São Paulo, direto de Porto Alegre, para homenagear uma das maiores cantoras da história da música brasileira, no ano em que ela completaria 70 anos: Clara Nunes. O samba de Clara recheou os anos 70 e 80 de batuque, originalidade e cultura de raiz. A cantora esteve na África três vezes, e era capaz de representar a diversidade e a miscigenação do povo brasileiro, mas mais que isso, de expressar a solidariedade entre os povos. Venha homenagear Clara Nunes sambando com a gente!


http://www.wherevent.com/detail/alessandra-terribili-ale-terribili-e-feira-de-mangaio-apresentam-tributo-a-clara-nunes

5ª Cult homenageia o melhor do samba


De Cartola à Clara Nunes, projeto resgata o melhor do samba nesta quinta, 9, no Sindicato dos Metalúrgicos.

Nesta quinta-feira, 9, a partir das 20h, no salão de eventos do Sindicato dos Metalúrgicos, será realizado o projeto 5ª Cult com homenagem ao melhor do samba. Serão lembradas músicas dos cantores Paulinho da Viola, Cartola, João Bosco, Aldir Blanc e Claras Nunes interpretadas por Rômulo Ras e grupo Samba na Sola do Rio de Janeiro. Os ingressos podem ser adquiridos na República Literária. O 5ª Cult “Fino do Samba” conta com o apoio da Fundação Casa de Cultura, do Sindicato dos Metalúrgicos, da Ludor Informática, da República Literária, do site Morro do Geo (Caminho das Riquezas), do Jornal Bom Dia e das rádios Alternativa e Comunicativa FM.

Acontece em BH

05 fevereiro 2012

Portela revive sua história ao reinaugurar quadra


Foi uma festa emocionante. Com uma das torcidas mais apaixonadas do carnaval carioca, a azul-e-branco de Oswaldo Cruz e Madureira abriu as portas de sua quadra, na tarde deste sábado, para exibir o orgulho e a paixão de ser a Majestade do Samba. Uma enorme multidão adentrou às novas dependências da escola, e todos ficaram surpresos com o que viram. A fachada principal da escola, onde ficam as roletas de acesso (agora eletrônicas), praticamente triplicou sua altura. O imponente forte portelense, em azul celeste no escuro das cores de sua bandeira, ergue-se num paredão onde as letras com o nome da escola impõe-se para identificá-la. Ao entrar, a lateral direita da quadra é um misto de Rio Antigo, com sacadas e janelas históricas, e pontos de encontro que evocam bambas eternos em títulos como "Bar da Tia Vicentina" e "Praça Manaceia". Nas duas fachadas internas da parte coberta da quadra, destacam-se frases imponentes. "Portela é perfume da flor / É aroma no ar / Para sentir só basta saber respirar" (dos versos célebres de Candeia no clássico "Vem Pra Portela") e "Aqui deu frutos a semente que a Velha Guarda plantou", espécie de frase-ode aos baluartes mestres do panteão portelense. A tarde teve apresentações musicais que remeteram à mais nobre tradição portelense. A badalada feijoada foi servida a personalidades como a rainha de bateria Sheron Menezes, o prefeito do Rio Eduardo Paes, o vice-governador do Rio, Pezão, o secretário de transportes Júlio Lopes e o jogador Petkovic. Além deles, uma comitiva baiana com integrantes do Olodum e do Ilê Ayê também estiveram presentes. Um cardápio musical regado a sambas clássicos e canções de Clara Nunes foi o couvert de uma grande tarde de samba. Marquinhos de Oswaldo Cruz, homenageado como idealizador dos dois projetos - a Feijoada da Família Portelense e o Trem do Samba - abriu o show e foi, ao final, laureado por Monarco com uma placa. Dorina subiu ao palco cantando Velha Guarda e Clara Nunes. Noca e Wilson Moreira relembraram vários de seus sucessos. Eliane Faria mostrou sua vocação nobre de herdeira do talento do pai, Paulinho da Viola. Mauro Diniz, filho de Monarco, e Diogo Nogueira também reiteraram o DNA portelense de seus pais. Teresa Cristina, uma das mais aplaudidas do evento, levantou a plateia com sua performance de "O Mar Serenou", mais uma vez lembrando Clara Nunes.


Na parte descoberta da quadra, a bateria "Tabajara do Samba", regida por mestre Nilo Sérgio, contagiava a todos enquanto a voz de Gilsinho empolgava a audiência com o hino para o carnaval de 2012. Mas foi o virtuoso baluarte Monarco, celebrando os 40 anos da Velha Guarda formosa e faceira da Portela, quem incendiou a audiência. Emendando inúmeros sambas de terreiro - clássicos do repertório de seus amigos bambas - abriu o set com o Hino da Portela, de Chico Santana, e deu-se a disparar jóias como "Cocorocó", "Lenço", "Tudo Menos Amor", "Cidade Mulher", "Corri Pra Ver", "Chegou Quem Faltava", "Coração em Desalinho", "Vai Vadiar", "Lapa em Três Tempos" e outras de mesmo quilate. Extasiada, a multidão aplaudiu, cantou, dançou e em dados momentos não conteve as lágrimas, sobretudo nas vezes em que músicas como "Contos de Areia" (samba-enredo da escola em 1984, a música mais cantada no evento), "Foi Um Rio Que Passou em Minha Vida" (de Paulinho da Viola) e "Portela na Avenida" (célebre na voz de Clara Nunes) foram cantadas pelos convidados. Integrantes da torcida Guerreiros da Águia garantiram a animação e o colorido azul e branco com faixas e bandeiras, além de emprestarem seu inesgotável fôlego para vibrar com os sambas da escola.


O prefeito Eduardo Paes saudou os portelenses, declarou seu amor à escola, fez uma brincadeira com Tia Surica ("Eu costumo dizer que Cris é minha esposa, mas a Surica é minha amante!") e pareceu ter mandado um recado para o presidente Nilo Figueiredo: "Presidente Nilo, a quadra está renovada, a comunidade está radiante com o samba-enredo mais bonito do ano. A Portela tem que fazer um desfile brilhante, tudo precisa estar à altura do que estamos vendo", afirmou, em diplomático mas reiterado tom de exigência. A nova quadra da Portela mostrou que o orgulho portelense está em alta. Um orgulho que, não obstante o renovo, tem respeito fundamental por sua raiz de bambas. Salve Oswaldo Cruz e Madureira!


Salve,Guerreira!Salve ela!
http://www.sidneyrezende.com/noticia/161195+portela+revive+sua+historia+ao+reinaugurar+quadra

Ela mora no mar, brinca na areia e desfila na Sapucaí




O canto da guerreira serenou o mar, espantou a tristeza, arrastou multidões e deixou um rastro de saudade depois da partida. Vinte e nove anos após sua morte, Clara Nunes permanece viva na memória dos amantes da boa música e, especialmente, dos portelenses. No ano em que faria 70 anos, a tal mineira de Paraopeba será destaque no maior espetáculo da Terra. E a homenagem é dupla. Clara Nunes é uma das inspirações do enredo da Portela sobre as festas da Bahia, em um dos sambas mais festejados deste ano. No sábado de carnaval, a Paraíso do Tuiuti abre os trabalhos do Grupo de Acesso e eleva Clara da inspiração ao protagonismo. A cantora que eternizou "Morena de Angola" é o enredo da escola de São Cristóvão, na briga por uma vaga no Grupo Especial ano que vem. Para representar Clara Nunes na comissão de frente, a escola convidou a atriz, cantora e ex-rainha de bateria da Viradouro Patrícia Costa. - Tinha 8 anos quando fui à quadra da Portela pela primeira vez. Enquanto a Clara Nunes cantava, tinha uma aura em volta dela. Parecia o Sol - lembra Patrícia, neta de Cláudio Bernardo da Costa, um dos fundadores da azul e branco. Samba, liberdade e paixão Da paixão pelo avô, Patrícia herdou também o amor pelo samba e pela Portela. A estreia no carnaval aconteceu em grande estilo. Em 1984, ano da inauguração do Sambódromo, a escola de Madureira trouxe um enredo que homenageava os bambas Paulo da Portela, Natal e, sempre ela, Clara Nunes. Patrícia veio em um carro alegórico e comemorou o título, dividido com a Mangueira. Mas a vontade mesmo era sair no chão. Em 1990, realizou o sonho e ganhou o Estandarte de Ouro de revelação. O prêmio, como não poderia deixar de ser, foi entregue pelo avô. - Fiz balé, jazz, sapateado, mas foi no samba que eu me encontrei. É a dança da liberdade - destaca. De Madureira, seguiu para Niterói, onde reinou à frente da bateria da Viradouro de 1992 a 1998 e em 2011. Levantou mais um trófeu de campeã em 1997, ano da "paradinha funk", criação do Mestre Jorjão. - Foi um desfile impressionante. Tinha muita energia na Sapucaí - recorda. Completando a festa, Patrícia volta à Portela este ano, convidada pelo carnavalesco Paulo Menezes. - Vou sair em um carro alegórico, mas, como sempre, vou defender a dança do samba - garante. No estúdio fotográfico, simpatia e samba-enredo para descontrair "Quem samba na beira do mar é sereia", cantava Clara Nunes. Quem samba na avenida, no estúdio fotográfico ou em qualquer lugar é quem nasceu para brilhar no carnaval, caso de Patrícia Costa. Ao posar para as fotos no GLOBO, ela deixou isso claro, demonstrando carisma. - O carinho das pessoas é o combustível - afirma. Para transformar Patrícia em Clara, o maquiador Marcello Arruda mergulhou em um trabalho de pesquisa. - Vi que a maquiagem usada na época era mais suave. Usei base e sombra em tons neutros - conta ele, que teve a ajuda de um livro levado por Patrícia, com diversas fotos de Clara Nunes. A produção ficou completa com uma bata e uma saia de laise, tecido 100% algodão. Roupas brancas, claro, sob a inspiração das religiões afrobrasileiras, que marcaram presença na vida e na obra da cantora. Tudo pronto, todos a postos, chegou a hora da sessão de fotos. Quer dizer, quase tudo pronto. Faltava o samba. Patrícia só se sentiu à vontade para evoluir no estúdio depois que os primeiros acordes de "Morena de Angola" saíram das caixas de som. Para encerrar, um pedido: o samba-enredo da Portela. Com a proteção de todos os guias, "com Clara Guerreira à Bahia," o trabalho estava feito. Enquanto isso, no barracão... Depois de homenagear Arlindo Cruz em 2002, Cartola em 2008, e conquistar o título do Grupo de Acesso B no ano passado, contando a história do doce bárbaro Caetano Veloso, a Paraíso do Tuiuti reforça a tradição de enredos sobre personalidades e vai levar para a avenida um desfile contando a trajetória de Clara Nunes. - Quando eu cheguei à escola, o presidente (Renato Thor) me pediu um enredo sobre alguém ligado à cultura brasileira. Tinha acabado de ler o livro "Guerreira da utopia", do Vagner Fernandes, e sugeri o nome da Clara. Ele adorou a ideia, disse que tinha um CD dela no carro - conta o carnavalesco Jack Vasconcelos. Para celebrar a Guerreira, como Clara era conhecida, o coreógrafo Fábio Batista desenvolveu os movimentos da comissão de frente baseados em danças folclóricas, como samba de roda, forró e maracatu. - Pesquisei os trejeitos da Clara Nunes. E por isso eu convidei a Patrícia Costa, por causa da movimentação e da interpretação. Sempre acompanhei o trabalho como rainha de carnaval e o samba dela tem um quê diferente - diz Batista, responsável pela comissão de frente. Além da dança, a coreografia prevê que Patrícia vai subir em uma espécie de tripé durante o desfile. - A coreografia é uma celebração da chegada da Clara Nunes em outro plano. A Patrícia é o pivô e os outros 14 componentes vêm como anjos e orixás - revela. Ao longo do desfile - com cinco carros alegóricos, nove alas e cerca de 2.200 componentes - o foco vai permanecer na carreira de Clara como cantora, conta o carnavalesco: - Ela não cantava qualquer coisa. Escolhia muito bem o repertório. A melhor forma de contar a história dela é falar das músicas. Vasconcelos disse ainda que o trabalho de pesquisa contou com a ajuda da irmã mais velha da cantora, responsável pelo acervo. Maria Gonçalves, conhecida como "Mariquita", recebeu o presidente, Renato Thor, e o diretor de carnaval, Leandro Azevedo, em uma visita ao interior de Minas. - A escola vem muito bonita. Não vai ser um carnaval só para passar na avenida - reforça o carnavalesco.

http://br.noticias.yahoo.com/mora-mar-brinca-areia-desfila-sapuca%C3%AD-020000401.html

04 fevereiro 2012

Mametto comanda o Alerta Geral na quinta de Carnaval


A Mametto vai agitar o circuito Osmar no comando do Bloco Alerta Geral, na quinta-feira de Carnaval, dia 16 de fevereiro. Do Campo Grande à Praça Castro Alves, o público vai dançar e se emocionar com a homenagem da Mametto a uma das divas da música brasileira, a cantora Clara Nunes. No comando do trio, Ana Mametto cantará sambas memoráveis em um repertório especialmente preparado para a ocasião. A homenagem vai além da música e estará também no figurino, que lembrará o estilo da cantora na época. A Mametto divide o trio com os sambistas Alindo Cruz e Dudu Nobre. Esse é mais um tributo da Mametto à Clara Nunes, que já havia sido homenageada pela banda com a escolha da sua nova música de trabalho, Nanaê Nanã Naiana, lançada em dezembro. Gravação antiga da cantora, a música é de autoria de Sydnei da Conceição, compositor carioca da velha guarda da escola de samba Estácio de Sá, a música está agitando o verão soteropolitano no Tudo Vira Som da Mametto, que acontece em sextas-feiras alternadas, na Praça Tereza Batista, até o Carnaval.

http://tudodeaxe.com.br/mametto-comanda-o-alerta-geral-na-quinta-de-carnaval/

De Patricia Costa à CLARA NUNES


Neta de fundador da Portela encara a missão de representar a 'Tal mineira' no desfile da Paraíso do Tuiuti.