Blog Clara Nunes: Agosto 2008

19 agosto 2008

No blog-vídeo

Confira parte do musical em homenagem a Luiz Gonzaga, reunindo grandes nomes da música popular; Clara Nunes,João Bosco, Altamiro Carrilho, Valdir Azevedo, Geraldo Vespário, Regional e Caçulinha. Programa Fantástico de março / 1976.

18 agosto 2008

Clara e Paulinho da Viola

Uma pérola postada no Youtube:"Paulinho da Viola e Clara Nunes"
num encontro musical para o programa "Fantástico" da Globo, exibido em março de 76. No auge de suas carreiras, os dois cantam seus sucessos, que já eram muitos, em um pot-pourri exclusivo."Foi Um Rio Que Passou em Minha Vida""O Mar Serenou""Argumento""Tristeza Pé no Chão""Pecado Capital""Menino Deus""Guardei Minha Viola""Conto de Areia".
Clara gravou Paulinho da Viola duas vezes : "Coração Leviano e Na linha do Mar". Um encontro de dois Portelenses de coração! Vale a pena conferir no Clara Nunes Voz de Ouro-Vídeos:

12 agosto 2008

12 de agosto!

12 de agosto: aniversário de Clara Nunes.
Se viva fosse , estaria completando 66 anos.
E com certeza estaria trabalhando como seus contemporâneos
da música popular brasileira!

Lançamento em CD

POETA, MOÇA E VIOLÃO
Vinicius de Moraes, Clara Nunes e Toquinho em show histórico.
Desde que gravaram o primeiro disco juntos, em 1969, até o último, dez anos depois, Vinicius de Moraes e Toquinho fizeram 96 músicas e gravaram 19 discos. No início de 1973, época em que Vinicius se considerava ‘‘o branco mais preto do Brasil’’ e afirmava ser Toquinho ‘‘o fenômeno mais impressionante como violonista que conheceu no Brasil depois de Baden Powell’’, a dupla vivia uma fase das mais criativas. Foi quando fizeram um show especial com enorme sucesso no Brasil e no exterior. Estreou no dia 27 de fevereiro no Teatro Castro Alves, em Salvador, e se chamou Poeta, Moça e Violão. Dividindo o palco com eles, a cantora Clara Nunes, a grande sambista brasileira que, como Toquinho e Vinicius, era empresariada por Benil Santos, idealizados de Poeta, Moça e Violão. Três fitas com a gravação do espetáculo ficaram guardadas durante 35 anos com o poeta e compositor Paulo César Pinheiro, marido de Clara, e agora cedidas ao produtor José Milton que, por causa da qualidade do som, foi obrigado a desenvolver um novo roteiro musical para o trabalho, pois algumas canções se perderam com o tempo. É este o CD que a Biscoito Fino está lançando. José Milton explica que, para transformar estes documentos sonoros no trabalho que hoje chega até a sua casa, foram utilizados aparelhos analógicos e digitais, além de programas de computador especificamente criados para a restauração da música. Com o que tinha à mão, o produtor se ateve às produções de Vinicius de Moraes, tentando seguir uma ordem cronológica que teve por base a data de conhecimento do poeta com cada parceiro.
Começou por Antonio Maria (Quando a Noite me Entende) e seguiu com Pixinguinha (Lamentos e Mundo Melhor), Ary Barroso (O Rancho das Namoradas) e Paulo Soledade (Poema dos Olhos da Amada). São parceiros, segundo José Milton ‘‘raramente citados quando se lembra da obra de Vinicius’’. Naturalmente ele chegou à bossa nova, com Tom Jobim (A Felicidade, Garota de Ipanema e Se Todos Fosse Iguais a Você), Carlos Lyra (Marcha da Quarta-Feira de Cinzas) e aos afro-sambas com Baden Powell (Berimbau, Consolação e Canto de Ossanha). Finalmente chegou às composições com Toquinho: Veja Você, Samba de Orly (também com Chico Buarque), Cotidiano nº 2, Regra Três e Como Dizia o Poeta. Só uma das faixas não é de Vinicius, mas de Toquinho e Paulo Vanzolini (Na Boca da Noite). Toda a parte falada do show foi excluída. Restou somente, abrindo o CD, Poética (‘‘De manhã escureço/De dia tardo/De tarde anoiteço/De noite ardo...’’). Finalmente, Rancho das Flores e Serenata do Adeus, ambas só de Vinicius. Foi com esta última que Clara Nunes ganhou o concurso A Voz de Ouro ABC no início dos anos 60. ‘‘É importante ressaltar’’, diz José Milton, ‘‘que este é um documento de valor histórico e que sua recuperação é fruto de muito talento e tecnologia pois, de outra forma, talvez jamais tivéssemos a oportunidade de relembrar este magnífico episódio da música popular brasileira’’. Fonte: Gravadora Biscoito Fino

Em Caetanópolis-MG - Terra de Clara

Fotos: Alessandra Siqueira
Márcio Guima na homenagem à Clara Nunes no lll Festival
Cultural Clara Nunes em Caetanópolis-MG .09/08/08

11 agosto 2008

Curta Metragem- A Tal Guerreira

A Tal Guerreira-Curta metragem
Clara Nunes é tema de curta que será exibido em SP Um sound-system no cemitério, go-go boys nos atabaques, televisão no terreiro e uma drag queen compõem a narrativa de "A Tal Guerreira", curta-metragem dirigido por Marcelo Caetano que trata das incorporações sagradas e profanas em torno do mito Clara Nunes, uma das intérpretes mais populares de samba e MPB cuja morte, em 1983, foi cercada de suspeitas místicas e religiosas.Para traçar o seu painel sobre a cantora dos orixás, Marcelo Caetano acompanha um grupo de umbandistas de Sorocaba que, além de manter um templo colorido e tropicalista em homenagem à cantora, faz romarias anuais ao túmulo de Clara no Cemitério São João Batista, no Rio, para pedir curas e milagres. Em paralelo, o curta acompanha uma travesti que toda noite incorpora a cantora em um clube gay.
Vestida como Clara, Michelly mistura em seu show elementos da cultura urbana gay e das religiões afro-brasileiras.“A Tal Guerreira” é a estréia de Marcelo Caetano na direção, que também assina a assistência de direção de “Filmefobia”, de Kiko Goifman (longa-metragem de ficção a ser lançado no Festival de Locarno este ano).O curta será exibido no 19º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, que será realizado de 21 a 29 de agosto. A primeira apresentação acontece no dia 22, às 16h, no Centro Cultural São Paulo (rua Vergueiro, 1000). Depois, o curta será exibido nos dias 24, às 17h, no Espaço Unibanco Bourbon (rua Turiassu, 2100 - 3º Piso) e no dia 25, às 20h, na Cinemateca - Sala Petrobrás (Lgo. Senador Raul Cardoso, 207).