Blog Clara Nunes: Julho 2009

28 julho 2009

É Fantástico!!!

Clara Nunes vive na memória de internautas e em novas vozes da MPB Estilo da ‘Guerreira’, que já gravou muitos clipes para o Fantástico, é lembrado no repertório de cantoras da nova geração.
Clique no link. O site do Fantástico traz ótima matéria
e belos vídeos de Clara Nunes:

27 julho 2009

Caetanópolis em festa!

Festival Clara Nunes
Festival homenageia Clara Nunes
Entrada Franca
A cidade mineira de Caetanópolis realiza do dia 02 a 16 de agosto/2009 o 4º Festival cultural Clara Nunes, em homenagem à cantora, filha ilustre da terra. Iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura em parceria com o Instituto Clara Nunes, associação da família da cantora que reúne Creche, acervo para futuro museu.
O evento apresenta oficinas, exposições, vídeos educativos, filmes, shows e peças teatrais. Destaque para os projetos do Festival de Músicas inéditas , Cantores da Nossa Terra, com a idéia de proporcionar oportunidade aos novos talentos de Caetanópolis e região.
A abertura acontece na sexta-feira dia 07 na Praça Antônio Pinto Mascarenhas com o show de Márcio Guima (sobrinho de Clara)e a convidada carioca: Yêda Maranhão, prosseguindo no sábado com shows da Velha Guarda da Portela e Dudu Nobre.
(Veja mais abaixo toda a programação) .
Eventos paralelos acontecerão também na Casa de Cultura Clara Nunes, onde são realizadas, durante todo o ano, oficinas de dança, música, canto, artes cênicas, teatro, capoeira, jongo e artes plásticas.Considerada uma das maiores intérpretes de samba do país, Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, conhecida como Clara Nunes faria 66 anos em 12 de agosto de 2009.
Pelo quarto ano seguido a secretaria Municipal de Cultura de Caetanópolis-MG, na pessoa de Adriana Ribeiro, Secretária de Cultura e do Prefeito Romário Vicente convida a todos para o evento que celebra o aniversário de Clara, no dia 12 de agosto.O Festival Cultural Clara Nunes é uma grande festa com o objetivo de fomentar a cultura local e cidades circunvizinhas, discutindo a obra , o mito Clara Nunes.
Contatos:(31) 3714-7430

24 julho 2009

Poeta, moça e violão

O Blog Voz de Ouro disponibiliza o acervo pessoal de Franklin, flautista que acompanhou Clara Vinícius e Toquinho no memorável show "Poeta,Moça e Violão". São fotos enviadas por Araceli, cantora paulista que prepara um show que em breve estaremos informando data.

03 julho 2009

4º Festival Clara Nunes

Clique na imagem para ampliar
4º Festival Cultural Clara Nunes
Caetanópolis-MG
De 02 a 16 de agosto
Organização: Prefeitura municipal de Caetanópolis
Instituto Clara Nunes

02 julho 2009

Noite "Clara"!

Aos organizadores do Prêmio de Música Brasileira nossos agradecimentos pela belíssima homenagem da classe musical à mineira-guerreira Clara Nunes!
Em especial, agradecimento à José Maurício Machline, idealizador e condutor do evento !Parabéns!!!

Assista a matéria do Vídeo Show:

Prêmio 2009-Homenagem à Clara Nunes

(fotos:Mauro Ferreira)
Transcrito do blog do Mauro Ferreira-
Crítico Musical
Prêmio da Música Brasileira - 22º Edição
Rio de Janeiro (RJ) - Coube a Fabiana Cozza fazer o primeiro dos dez números musicais da 22ª edição do Prêmio da Música Brasileira, que homenageou a cantora Clara Nunes (1942 - 1983). Às 21h55m de quarta-feira, 1º de julho de 2009, as luzes do Canecão se apagaram e a voz límpida de Clara ecoou na casa através da gravação de Guerreira, espécie de autorretrato da intérprete mineira. Na sequência, os apresentadores - Aloísio de Abreu, Fernanda Montenegro e Marcello Antony - entraram em cena e falaram da importância de Clara, revivida ao longo de toda a cerimônia através de imagens do telão, de trechos de suas gravações e de textos que explicaram ao público de convidados a importância de cada música apresentada na festa-show.
BETHANIA:
Cantou Conto de Areia (Romildo e Toninho), primeiro retumbante sucesso de Clara Nunes (1942 - 1983) em escala nacional. Líder das paradas em 1974, o samba tem cadência baiana condizente com a musicalidade de Bethânia (em foto de Mauro Ferreira). Contudo, a insegurança da cantora com a letra - lida em sua maior parte por ela, sem a menor cerimônia - impediu que o número fizesse jus à alta expectativa. Foi quase burocrático.
ZÉLIA E JOÃO BOSCO:
Rio de Janeiro (RJ) - Samba majestoso que deu título em 1982 ao último álbum lançado por Clara Nunes (1942 - 1983), Nação ainda permanece imbatível no registro original da intérprete mineira. Contudo, o samba de João Bosco, Aldir Blanc e Paulo Emílio foi abordado com elegância e suingue todo próprio por Bosco em dueto com Zélia Duncan. Com direito a um baticum que evoluiu na cadência bonita do samba mais tradicional. Dueto foi interessante.
NEY LATORRACA:
Em 1974, Clara Nunes (1942 - 1983) estrelou ao lado do ator Paulo Gracindo (1911 - 1995) a segunda montagem de Brasileiro: Profissão Esperança, musical que entrelaça as obras de Antonio Maria (1921 - 1964) e Dolores Duran (1930 - 1959). O espetáculo lotou o Canecão durante meses no mesmo palco nobre onde os atores Ney Latorraca e Alessandra Maestrini reviveram trechos do espetáculo. Cantora de extensão vocal já exibida em musicais, Maestrini deu acento dramático às músicas dos compositores. Latorraca provocou risos com frases de Maria.
ALCIONE:
De todos os intérpretes arregimentados para o tributo a Clara Nunes (1942 - 1983) prestado pelo Prêmio da Música Brasileira, Alcione foi a que teve relação mais afetuosa com Clara. Daí o significado especial do número. Com sua divisão particular, a Marrom reviveu Sem Companhia, música romântica que se tornou um dos sucessos do álbum Brasil Mestiço (1980) ao ser propagada na trilha sonora da novela Coração Alado.10
ZÉLIA DUNCAN E JOÃO BOSCO:
Em 1975, um lindo samba de Candeia (1935 - 1978), O Mar Serenou, consolidou o sucesso de Clara Nunes (1942 - 1983) ao ser gravado pela cantora no álbum Claridade. Na 22ª edição do Prêmio da Música Brasileira, quem se jogou no mar de Clara foi Lenine, num registro afetuoso e sereno feito em dueto com seu filho, João Cavalcanti, vocalista do grupo Casuarina. O (bom) número exemplificou a linha dos arranjos de Rildo Hora, urdidos num tom mais de gala - sem muita ênfase nas percussões...
EMÍLIO SANTIAGO:
Samba de Ivone Lara e Délcio Carvalho que batizou em 1974 o primeiro álbum de Clara Nunes (1942 - 1983) a conquistar de fato o Brasil, Alvorecer ressurgiu suave no registro impecável de Emílio Santiago (em foto de Mauro Ferreira). Com direito a virtuoso solo de gaita do maestro Rildo Hora, autor dos arranjos da festa-show que reverenciou a obra e a figura de Clara, fã de primeira hora de Emílio, quando o cantor ainda atuava anonimamente na noite carioca. Um dos grandes números da 22ª edição do Prêmio da Música Brasileira pela categoria de Santiago
ZECA PAGODINHO:
Consegui!", disse Zeca Pagodinho para o maestro Rildo Hora, após cantar Menino Deus (Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro) na festa-show que homenageou Clara Nunes (1942 - 1983). Talvez por estar um pouco alto, Zeca achou que nem fosse conseguir defender bem o samba, sucesso de Clara em 1974, mas o fato é que sua interpretação teve uma beleza toda particular, sobretudo pelo gestual com que o sambista enfatizou algumas imagens poéticas da (linda) letra de Paulo César Pinheiro.