Blog Clara Nunes: Agosto 2015

26 agosto 2015

Canal Brasil disponibiliza o seriado "Clara"




"Salve o samba, salve a santa, salve ela." Salve Clara Nunes!
Assista a todos os episódios da série "Clara" no CANAL BRASIL:

A série mostra como Clara Nunes revolucionou a indústria fonográfica, tornando-se a 1ª mulher a romper as barreiras impostas pelas gravadoras e uma das maiores vendedoras de discos de todos os tempos

25 agosto 2015

CD "Virginia Rosa canta Clara"



A mais nova produção da MESA 2 Produções acaba de sair do forno: o CD Virgínia Rosa CANTA CLARA, uma realização do Selo SESC. que tem participações especias de Ailton GraçaClarianasToninho Ferragutti e Osvaldinho da Cuíca. Direção musical de Ogair Júnior

Virginia Rosa tem contato com as músicas de Clara Nunes desde a infância e a afinidade musical entre as duas é grande, pois são trajetórias musicais pautadas pela diversidade de estilos.
Neste sentido, a cantora afirma que Clara Nunes é uma fonte de inspiração para o seu trabalho: “Com uma interpretação e uma espiritualidade musical única, Clara Nunes tinha uma comunicação incrível com a plateia, além de navegar por vários estilos¨, diz.
¨ Ela é reconhecida pelo samba, mas cantou até bolero. Procuro absorver essas características para lidar com o público e sempre abrir um leque de multiplicidade em minha carreira musical”, conclui a cantora.

Sobre Virgínia Rosa
A cantora paulistana foi vocalista da banda Isca de Polícia, de Itamar Assumpção, e do grupo Mexe com Tudo.
Com seu primeiro CD solo,Batuque(1997) – com canções de Itamar Assumpção, Luiz Gonzaga, Lenine e Chico Science –foi indicadaaoPrêmio Sharp de cantora revelação.
O segundo, A Voz do Coração, tem composições de Thomas Roth, Chico César, Herbert Vianna, Gilberto Gil e Luiz Melodia.Samba a Dois, o terceiro, tem Cartola, Candeia, Luísa Maita e Tito Pinheiro.
Outras apresentações merecem destaque:Palavra de Mulher (músicas de Chico Buarque), Na Batucada da Vida (com Célia e Lucinha Lins) e Virgínia Canta Clara (que virou um especial de TV).
Em 2008, lançou Baita Negão homenagem a Monsueto, e em 2010, Virgínia Rosa & Geraldo Flach.

http://aplausobrasil.ig.com.br/2012/10/04/clara-nunes-recebe-homenagem-da-cantora-virginia-rosa/
Estou muito feliz com o lançamento do meu novo CD: "Virgínia Rosa Canta Clara". Produção da MESA 2 Produções para o Selo SESC. Em breve disponível para compra nas unidades e no site da Rede SESC. Shows de lançamento? Em outubro! 
Em primeiríssima mão uma prova da capa do meu novo CD, Virgínia Rosa Canta Clara. O projeto gráfico é assinado por Maristela Colucci. O disco, uma homenagem a Clara Nunes, terá shows de lançamento em outubro. Lançamento do Selo SESC.
"A mais nova produção da @[179226488786267:274:MESA 2 Produções] acaba de sair do forno: o CD @[407907565886066:274:Virgínia Rosa] CANTA CLARA, uma realização do Selo SESC. que tem participações especias de @[100000984190772:2048:Ailton Graça], @[438304636197130:274:Clarianas], @[100000006025384:2048:Toninho Ferragutti] e Osvaldinho da Cuíca. Direção musical de @[1433459510263513:274:Ogair Júnior]"

17 agosto 2015

X Festival Clara Nunes - sucesso de público

Foto: prefeitura / Elba Ramalho 

Depois de um final de semana cheio de atrações maravilhosas, ficamos com a saudade e registros dos momentos vividos e na expectativa de que sempre teremos anualmente esse evento fantástico que enche de alegria e beleza a cidade. Agradecemos ao Prefeito de Caetanópolis, Evaldo Cardoso e a Secretária de Cultura, Silvania Ramos de Araujo, que com certeza trabalharam juntamente com suas equipes, fazendo possível a realização desse evento com tanto sucesso! 
Parabéns! (Bernardo Mascarenhas)



                                            Elba Ramalho e o artista Marcio Vesoli
Mais um ano de homenagens à Clara Nunes na sua cidade natal Caetanopolis. Parabéns ao prefeito Evaldo Cardoso e a Secretária de Cultura Silvania Ramos de Araujo e à Dindinha, irmã e mãe de Clara.
 — emPrefeitura de Caetanópolis

14 agosto 2015

No X Festival Clara Nunes - o dia das apresentações escolares


"... Mais é que tem um Sanfoneiro no canto da rua, fazendo floreio pra gente dançar tem Zefa de purcina fazendo renda
e o ronco do fole sem parar..." Participação da E. E. Profª Célia Maria Barbosa no 10º Festival Clara Nunes, um espetáculo de dança!!!! Parabéns alunos!!! Agradecemos todos que contribuíram para o sucesso deste evento!

                                          Foto: Dayse Militao

Apresentação das escolas de Caetanópolis no X Festival Clara Nunes


Fotos: Bernardo Mascarenhas


Apresentações das escolas de Caetanópolis no 10º Festival Cultural Clara Nunes. O ator e apresentador do Festival, Márcio Vesoli é show!!

Obrigada Caetanópolis - MG, terra da Guerreira. Foi uma noite inesquecível. Ao lado de dona Mariquita, irmã de Clara e da presença de um público maravilhosamente acolhedor, cantamos em homenagem à Sabiá. Muita honra. Salve Clara Nunes, eterna Mineira!!! 

Clara Nunes 73 anos: conheça bastidores do primeiro disco da cantora

Produtor descobridor da cantora, Adelzon Alves, detalhou início de carreira de Clara Nunes
Clara Nunes nasceu em 12 de agosto de 1942
Clara Nunes nasceu em 12 de agosto de 1942 Divulgação
Conhecido como o descobridor de Clara Nunes, o produtor e radialista Adelzon Alves, também apresentador do programa "Adelzon Alves, O Amigo da Madrugada",  conta o momento histórico em que ela chega à gravadora Odeon, vinda de Minas Gerais, no início da década de 70.

O depoimento foi dado ao apresentador do Ponto do Samba, Rubem Confete, na quarta-feira (12), data em que Clara Nunes completaria 73 anos. A cantora faleceu aos 40 anos, no auge de sua carreira, em morte repentina que chocou o país.

Clique no player acima e ouça o depoimento na íntegra.

Ela chegou para gravar um disco de 'baladas', seguindo o modismo da época. Adelzon foi convidado a dirigi-la e, devido ao envolvimento dele com o samba, apresentou um projeto detalhado para a carreira da então desconhecida cantora mineira.

Ouça três músicas da cantora de Clara Nunes aqui 

Durante a reunião que definiu o destino de Clara, Adelzon conta o que falou na época, para a direção da Odeon: "Depois que a Carmen Miranda morreu, nenhuma artista, cantora, brasileira, teve uma imagem afrobrasileira. Elis é jazzística, Gal é tropical, mas ninguém assumiu a linha de samba autêntico, de samba de raíz", disse. A ideia emplacou, mas ninguém, nem mesmo Adelzon, esperava o sucesso que Clara Nunes faria.

Clara Nunes foi a primeira mulher a figurar no topo da lista de vendas de discos no Brasil, quebrando um tabu, na opinião de Adelzon.

Ouça o depoimento clicando no player acima e descubra a história de Clara Nunes contada por quem estava ao seu lado na época.

Ponto do Samba vai ao ar de segunda a sexta, às 13h30, na Nacional do Rio de Janeiro

http://radios.ebc.com.br/ponto-do-samba/edicao/2015-08/clara-nunes-73-anos-conheca-bastidores-do-primeiro-disco-da-cantora

13 agosto 2015

"Deixa Clarear" vídeo



Apresentação de Clara Santhana;Espetáculo: Deixa Clarear.X Festival Cultural Clara Nunes12/08/2015.
Posted by Prefeitura de Caetanópolis on Quarta, 12 de agosto de 2015

X Festival Clara Nunes- "Deixa Clarear" emociona a platéia


Espetáculo: Deixa Clarear.
X Festival Cultural Clara Nunes
12/08/2015 
Caetanópolis 

Prefeitura de Caetanópolis 
O espetáculo "Deixa Clarear" foi patrocinado pela Cedro Têxtil, atendendo a um pedido do Prefeito Municipal com data escolhida pela empresa, por ser o dia do aniversário da mesma (Cedro e Cachoeira) e também aniversário de Clara Nunes.



                                          foto: Marilene Araujo
                                        a equipe grava no coreto da cidade trechos para o DVD

                                          foto: Marilene Araujo 
                                          depoimentos da família e amigos de Clara Nunes
                                          Clara Santhana no palco do X Festival  Clara Nunes 
                 
                      
                                                           Fotos: Jefinho Belino 


12 agosto 2015

Clara lembrada pelo seu aniversário

Cantora Clara Nunes faria 73 anos nesta quartaA primeira cantora brasileira a vender mais de 100 mil cópias faleceu aos 40 anos


Publicação: 12/08/2015 16:38 Atualização: 12/08/2015 16:32

Clara Nunes deixou um grande legado para a música brasileira. Foto: Wilton Montenegro/Reprodução
Clara Nunes deixou um grande legado para a música brasileira. Foto: Wilton Montenegro/Reprodução

Dona de muitos sucessos, como Canto das Três Raças, Morena de Angola, Conto de Areia e O Mar Serenou, entre outros, e considerada a primeira cantora brasileira a vender mais de 100 mil cópias, Clara Nunes completaria 73 anos nesta quarta (12).


Até 1965, Clara morou em Belo Horizonte, depois foi para o Rio, onde cantava boleros em programas de TV, como os de José Messias Chacrinha,Almoço com as Estrelas, e também em casas noturnas e clubes. 

Somente sete anos depois, ela firmaria sua identidade como sambista com o disco Clara Clarice Clara, faixa-título composta por Caetano Veloso e Capinam. 

De suas pesquisas sobre a música popular brasileira, seus ritmos e seu folclore, suas danças e tradições afro-brasileiras, veio a sua conversão à umbanda, fé que ela reverenciou até mesmo em sua arte e suas roupas. Filha de Ogum com Iansã, a carismática, intuitiva e mediúnica cantora inspirou a biografia Clara Nunes - Guerreira da Utopia, de 2007, escrita pelo jornalista Vagner Fernandes.

Ao morrer, aos 40 anos, Clara Nunes estava no auge e consagrada, tendo vendido mais quatro milhões de discos e lançado álbuns clássicos como Claridade, 1975; Canto das Três Raças, 1976; Guerreira, 1978; Brasil Mestiço, 1980; e Nação, 1982.
http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2015/08/12/internas_viver,592013/cantora-clara-nunes-faria-73-anos-nesta-quarta.shtml

X Festival Clara Nunes - No palco central o musical "Deixa Clarear"

                                                      Foto: Clara Santhana-Caetanópolis-MG




"Hoje é seu dia!!! Há 73 anos nasceu em Caetanópolis, Minas Gerais, a Mineira Guerreira, a nossa doce Sabiá, que deixou um legado tão bonito para os brasileiros. Ela vive nas alturas e é eterna. Lembramos com amor o seu canto e hoje a noite vamos Clarear em sua homenagem. Que tenha sempre muito ️Axé na sua jornada, muita luz. Sou muito feliz e me sinto honrada por estar hoje na sua terra, ao lado de sua irmã comemorando uma data tão especial. ️Salve Clara Nunes!!! Eparrei oyá!!"
Clara Santhana 
                                          Dindinha, irmã de Clara Nunes e a atriz Clara Santhana 


Caetanópolis celebra dois aniversários: a fábrica de tecidos e Clara

Sucessão (Foto: Luiz Maximiano)

Até a cantora Clara Nunes faz parte da história da Cedro. Aos 14 anos, Clara Francisca Gonçalves trabalhou ali como tecelã.

A Cedro Cachoeira completa hoje 143 anos. Além de muita história, a empresa de tecidos traz em sua trajetória a cantora Clara Nunes, que foi tecelã. Sua passagem pela fábrica pode ser observada no Museu Cedro Têxtil, em Caetanópolis, cidade natal da artista e da empresa. Também hoje acontece o musical “Deixa Clarear – A História de Clara Nunes”, dentro do 10º Festival Cultural Clara Nunes. Uma iniciativa do Sesi/Fiemg.
(Paulo Navarro- O Tempo/12/08/2015)

Clara Nunes, a alma iluminada da música brasileira faria 73 anos hoje !

Clara Nunes 
“Com 33 anos de morte, ela permanece completamente viva na memória de todo mundo. Jovens prestam homenagens o tempo inteiro, gravam discos com o repertório dela, montam peças teatrais, documentários de televisão”, comenta Paulo César Pinheiro, que foi casado com Clara Nunes durante cerca de oito anos e se tornou o compositor mais gravado por ela. “Ela continua no ar quase todos os dias. Então, a importância dessa pessoa, como artista, é inegável. É uma das maiores cantoras de todos os tempos na música brasileira”, ele continua. Pinheiro assinou a composição de clássicos inegáveis como “Canto das Três Raças”, “As Forças da Natureza”, “Brasil Mestiço Santuário da Fé”, “Portela na Avenida”, “Serrinha” e “À Flor da Pele”, primeira composição assinada também por Clara, em parceria com Maurício Tapajós(revista-rollingstone)

Mas hoje  é dia de celebrar o nascimento de Clara, que se fosse viva estaria completando neste 12 de agosto 73 anos . Também 73 anos tem Caetano Veloso e Gilberto Gil ambos de 1942 e  Roberto Carlos 74 .Com certeza Clara estaria em atividade como seus amigos de profissão. 


E aqui o blog transcreve um belo resumo da obra da mineira:

DEZ motivos para (ainda) ouvir Clara Nunes


Divulgação
Clara Nunes
Por Felipe Candido

1. COMPOSITORES E INTÉRPRETES
Os maiores compositores contemporâneos de Clara Nunes e também grandes nomes de gerações anteriores figuravam nas fichas técnicas dos seus discos. Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Paulo César Pinheiro, Chico Buarque, Dona Ivone Lara, João Nogueira, Cartola e Nelson Cavaquinho são alguns dos autores que tiveram suas canções na voz de Clara. Além disso, a cantora soube reviver, com características próprias, músicas que haviam sido gravadas por grandes intérpretes. Canções de Dalva de Oliveira, Carmem Miranda, Angela Maria e outros ganharam registros inesquecíveis de Clara.
2. MULHER NO SAMBA
O samba sempre foi um espaço masculino. Mesmo com a abertura das portas e a conquista de espaço por Dona Ivone Lara, anos antes do sucesso alcançado por Clara Nunes, os homens continuavam a dominar o ritmo. Clara foi uma das grandes mulheres de seu tempo a escrever seu nome no samba, ao lado de Alcione e Beth Carvalho.
3. CLARA E A PORTELA
Clara teve uma relação muito estreita com a escola de samba Portela. Além de assídua frequentadora da quadra, dos sambas promovidos pela agremiação e dos desfiles, a cantora também foi divulgadora da Portela. Clara deu voz a canções dos tradicionais compositores da escola, a sambas - enredo – como “Ilu Ayê”, de 1972, e “Macunaíma”, de 1975 –, e também a músicas que exaltavam a Portela. Em 1984, Clara foi uma das homenageadas por sua escola do coração, ao lado de Paulo da Portela e Natal, no enredo “Contos de Areia”, que se sagrou campeão no carnaval daquele ano. Em 2012, Clara também foi homenageada pela escola, sendo a condutora do enredo sobre a Bahia. No desfile, a intérprete foi representada pela cantora Vanessa da Mata.
4. PESQUISADORA DOS RITMOS BRASILEIROS
A cantora Clara Nunes
Apesar de ter seu nome diretamente ligado ao samba, não foi somente o ritmo mais tradicional do Brasil que Clara cantou. A cantora foi uma profunda pesquisadora dos ritmos brasileiros. Em seus discos e shows figuravam jongos, afoxés, ijexás, , forrós, choros e até canções tradicionais de tribos indígenas, que fizeram com que Clara fosse uma grande representante da diversidade musical brasileira.
5. FÉ
Mesmo sendo o Brasil um país miscigenado, com forte presença da tradição africana em nossa formação cultural, as religiões de matriz afro sempre sofreram (e ainda sofrem) muito preconceito. Clara Nunes soube transformar sua fé em expressão artística. As referências aos Orixás estiveram presentes em suas canções, e a cantora tinha orgulho em afirmar suas crenças e cantar com alegria que era “filha de Ogum com Iansã”.
6. MUSA INSPIRADORA
Além de grande intérprete, Clara também foi musa inspiradora para grandes compositores. A cantora foi homenageada em diversas canções. Algumas delas foram cantadas pela própria Clara, como “Guerreira”. Outras foram gravadas por amigos, como “Mineira”, que ganhou a voz de João Nogueira, um dos compositores da canção. Após a morte, Clara foi celebrada em diversas músicas, como “Um Ser de Luz” samba de Paulo César Pinheiro, João Nogueira e Mauro Duarte que foi gravado por Alcione, amiga pessoal de Clara.
7. QUEBRA DE TABU
No Brasil, dos anos 70, havia um “tabu” relacionado às mulheres cantoras que fazia com que elas não tivessem bom desempenho na venda de discos. Clara foi responsável por reverter esse quadro, em 1971, ao se tornar a primeira cantora a vender mais de 100 mil cópias de um álbum, o homônimo Clara Nunes. A intérprete ainda teria outros grandes êxitos em sua carreira fonográfica, como o discoClaridade, de 1975, que vendeu mais de 1 milhão de cópias, e Brasil Mestiço, de 1980, que bateu a casa de mais de 2 milhões de exemplares vendidos.
8. DUETOS
Ao longo da carreira, Clara Nunes dividiu os vocais com diversos amigos, em gravações que se tornaram antológicas. Os encontros de Clara com Clementina de Jesus, Vinícius de Moraes, Toquinho, Roberto Ribeiro, Adoniran Barbosa, dentre outros, tornaram-se verdadeiros clássicos da música brasileira.
9. NOVAS GERAÇÕES
As músicas da cantora são referência até os dias atuais
A obra de Clara Nunes ainda é atual. Prova da modernidade do canto de Clara é que, até hoje, artistas das novas gerações recorrem ao repertório da intérprete para pescar pérolas para seus próprios trabalhos. Mônica Salmaso, Mariana Aydar, Teresa Cristina, Gaby Amarantos e Diogo Nogueira são apenas alguns exemplos de jovens que reviveram canções imortalizadas por Clara.
10. LANÇAMENTOS EM 2013
Com a lembrança dos 30 anos de morte de Clara, 2013 vai ser um ano cheio de homenagens à cantora. Alguns lançamentos estão previstos para este ano, como a reedição da biografia Clara: Guerreira da Utopia, de Vagner Fernandes; os discos tributo de Mariene de Castro e Fabiana Cozza; e ainda um box com a discografia completa da cantora. 
http://www.saraivaconteudo.com.br/Materias/Post/50550