Blog Clara Nunes: Março 2012

30 março 2012

Oratório

Clara e ao fundo a mesa de sua sala com o oratório barroco que foi restaurado para o Memorial Clara Nunes em Caetanópolis.  Coleção: Instituto Clara Nunes (Revista Amiga)

Revista História Biblioteca Nacional



A beleza que canta

Clara Nunes terá museu em agosto, quando completaria 70 anos
 

                                                  Foto cortesia: Instituto Clara Nunes

Clara não jogava nada fora, guardou até a roupa com que foi coroada Rainha do Carnaval em Belo Horizonte, nos anos 1960. Depois que ela morreu, guardamos tudo. Discos de Ouro, troféus, acessórios, fantasias, reportagens, mais de 2.000 fotos. Já são 29 anos de luta para criar o Memorial Clara Nunes. continua...

26 março 2012

Estatuto do Instituto Clara Nunes



O Instituto tem por finalidade(s):

I. Zelar e preservar o acervo pessoal e artístico de Clara Nunes;
II. Promover e incentivar projetos que visem a preservação da memória de Clara Nunes;
III. Promover e incentivar todas e quaisquer atividades artísticas, esportivas,culturais,sociais, mesmo aquelas que não estão contidas neste Estatuto;
IV. Promover parcerias com outras entidades e associações em campanhas educativas e de valorização da comunidade e resgate da cidadania através da cultura;
V. Garantir a participação da comunidade carente nas atividades desenvolvidas;
VI. Participar ou co-participar de projetos de trabalhos de construção, formação, organização, manutenção, ampliação e equipamentos de museus, bibliotecas, arquivos e outras organizações culturais congêneres ou afins, bem como de suas coleções e acervos;
VII. Promover a criação, produção, distribuição, representação de eventuais catálogos, vídeos, livros, acessórios, que se constituam em réplicas ou reprodução de objetos de uso pessoal, que estejam relacionados e contidos no acervo de Clara Nunes;
VIII. Elaborar projetos culturais com apoio de outras Instituições,
IX. Instituir e outorgar prêmios,
X. Assessorar, administrar, organizar e produzir festivais, mostras, seminários, cursos,palestras, encontros e eventos em geral sobre Clara Nunes e assuntos pertinentes ao Instituto;
XI. Garantir o acesso público,para visitação,ao acervo,desde que previamente acordado com a administração do Instituto.
XII. Garantir o acesso,para pesquisa ao acervo - resguardada a preservação do mesmo – mediante agendamento prévio com a administração do Instituto,carta de apresentação da instituição a qual o pesquisador se acha vinculado,bem como o preenchimento de um termo de compromisso sobre a utilização do material coletado.
XIII. Documentar todos os eventos promovidos e apoiados pelo Instituto,
XIV. Estabelecer e participar de convênios com outros Institutos e Fundações.

25 março 2012

O acervo precioso de Clara Nunes

                                                            agencia abril

O acervo de cerca de 6 mil itens – vestidos, discos, milhares de fotos, troféus, colares e balangandãs – que pertenceram a uma das maiores cantoras do Brasil está guardado, há anos pela família de Clara Nunes num pequeno cômodo anexo á Creche Clara Nunes em Caetanópolis-MG,terra natal da mineira. Em 2005 a família criou o Instituto Clara Nunes, orgão que gerencia e organiza o acervo familiar preservado há 29 anos pela sua irmã Maria Gonçalves, a Dindinha como Clara gostava de chamá-la. A catalogação e a restauração do acervo foram feitas com a ajuda da historiadora Sílvia Brugger, professora da Universidade Federal de São João del-Rei, que estudou a vida e a obra da mineira.

 
Aí então, começou a segunda fase de reunir e catalogar tudo que estava fechado há anos. Foram feitas cópias fotográficas de todo o acervo: textos, fotos, revistas, jornais etc. Esse rico material aguarda a próxima etapa que será a digitalização  para futuras pesquisas de interessados que visitarão o Memorial.


Esse acervo não foi só mérito da família,e sim da própria Clara e de sua assessoria de imprensa que anos e anos catalogava revistas,jornais, fotos pessoais,de shows,viagens etc. Tudo começou nos anos 60, ainda em Belo Horizonte com recortes de jornais de Minas desde sua primeira apresentação em feiras religiosas e pequenos shows."Clara tinha esse cuidado especial com sua carreira e queria guardar tudo para um dia ter a quem mostrar", conclui sua irmã a Dindinha. Não sabia que no futuro esse material serviria para prestá-la uma bela homenagem, agora com a inauguração do Memorial Clara Nunes, marcado para 12 de agosto em Caetanópolis, dia do seu aniversário e data do Festival Clara Nunes.

O Instituto Clara Nunes localizado na Rua Fernando Lima 264 constituído jurídicamente é
detentor do acervo,que junto à Prefeitura Municipal gerenciará o Memorial Clara Nunes.

Foto: Jornal Estado de Minas
 Nas pastas azuis um tesouro: Fotos,jornais,revistas...toda uma história de sucesso.
                            Será um presente aos fãs dessa cantora inesquecível.


Tela: Se Clara Nunes fosse índia


Tela de Carmen Garrez

Formada em Arquitetura e Urbanismo pela

Universidade Federal de Pelotas.

Nasceu em Cacequi - Rio Grande do Sul

Brasil

15 março 2012

Festival já tem data

A sétima versão do FESTIVAL DE CULTURA CLARA NUNES será de 5 a 19 de agosto de 2012, na cidade natal de Clara Caetanópolis-MG. Este ano, o evento se reveste de maior importância, em virtude das comemorações do septuagésimo aniversário de nascimento da Guerreira. Dia 11 (sábado), haverá a abertura oficial. Para dia 12 (domingo) está prevista a tão esperada inauguração do MEMORIAL CLARA NUNES. Grandes atrações estão em estudo. Aguardem!
Fonte: Prefeitura Caetanópolis




11 março 2012

As Expectativas para um Grande Memorial



Caetanópolis, cidade de 9,5 mil habitantes a 100 quilômetros de Belo Horizonte, é considerada o berço da indústria têxtil brasileira por causa da Fábrica do Cedro, fundada em 1872 e em pleno funcionamento até hoje. O lugar se chamava Cedro e foi distrito de Paraopeba até a emancipação, em 1954. Fica na Região Central de Minas, às margens da BR 040, que liga BH a Brasília. Mariquita organizou tudo como pôde. Estão lá 140 peças de roupas, quase todas brancas, fotos, vídeos, correspondência, publicações, objetos pessoais, braceletes, colares e o acervo barroco, formado por peças com as quais Clara decorava sua casa. Há também uma radiola ABC (toca discos), de uso pessoal da cantora. Um conjunto precioso, guardado com cuidado, mas em lugar inadequado para a visitação. “É complicado cuidar do acervo, porque a família não foi herdeira dela. Somos modestos e lutamos com dificuldade para mantê-lo”, diz Mariquita. Uma recente parceria com a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) está permitindo a catalogação do material e a digitalização de fotos, vídeos, publicações e documentos.
Mesmo quando estava no auge do sucesso, Clara nunca deixou de visitar a família e os conterrâneos. Sempre passava o Natal na casa de Mariquita e, no último deles, poucos meses antes da morte, revelou o desejo de abrir uma creche. “Ela tinha muita frustração por não ter tido filhos. Resolvemos fazer a creche para homenageá-la”, lembra a irmã mais velha. “Essa creche a irmã fez por vontade dela. A gente fica agradecida e tem muito orgulho por ela ter nascido aqui”, testemunha Raquel Mariz Inocente, que tem um filho de 5 anos na instituição.
Nenhuma temporada de Clara Nunes terminava sem que Mariquita assistisse a pelo menos um show. No último, intitulado Clara Mestiça, no teatro que tinha o nome da cantora, ela ralhou com a irmã mais nova dizendo que estava com dó dela por causa do esforço, e que não era necessário “se matar” daquele jeito no palco. A reação foi vigorosa: “Não gostei quando você falou que estava com dó de mim porque eu estava suando muito. Ponha na sua cabeça que eu vim a este mundo para cantar”. Mariquita lembra da fala de Clara e também que ela cantava desde os 4 anos.
Hoje as obras do Memorial estão sendo finalizadas para receber os fãs de Clara Nunes.
Em sua fachada uma enorme foto de Clara será exposta.



 

09 março 2012

Vale a pena ouvir:








Ouça os melhores momentos do show em homenagem aos 70 anos de Clara Nunes, realizado em Brasília pelo Centro Cultural Banco do Brasil com vários artistas da nova MPB e amigos da mineira. O aúdio disponível está abaixo no link que segue:


http://www2.camara.gov.br/radio/materias/PALCO-BRASIL/410357-OS-MELHORES-MOMENTOS-DOS-SHOWS-CONTOS-DE-AREIA---70-ANOS-DE-CLARA-NUNES---SEGUNDA-PARTE-BLOCO-1.html

08 março 2012

Uma Homenagem à Uma Mulher



"O artista é um representante de sentimentos,necessidades e verdades do público, nele concentradas.Um grande artista é um grande representante.Porém,nem sempre um grande artista é uma grande pessoa.Você era uma pessoa do tamanho exato da imensa artista que morava em você.Quando se dá essa raríssima junção entre o que artista representa e é,dá-se um milagre de comunicação.Ocorria com você,e só com a morte ficou claro para todos.Você era ,em pessoa, o que transmitia como artista.Não que seja errado um artista transmitir um clima e ser outra pessoa.É o mais comum.Grandes artistas há que conseguem através da arte uma elevação humana impossível de alcançarem no plano pessoal.A arte é esse elemento mágico de elevação,transporte e transcendência que realça quem a faz,quem a recebe e quem a interpreta.Quanta gente procura a arte porque vai obter um crescimento interno jamais alcançável no plano puramente pessoal.A arte salva quem a recebe mas salva,principalmente,quem a faz.Não há,portanto,a necessidade da coincidência entre a pessoa e a obra para que se dê a arte qualificada.O artista cuja arte não coincide com a pessoa dele,vive,na arte,a sua melhor e mais alta dimensão,nem sempre presente em sua vida,no quotidiano,em suas relações pessoais.Você,não!Você foi das raras pessoas em que a arte era uma estrita representação da pessoa.O seu equilíbrio pessoal estava na sua arte.A sua enorme solidariedade pessoal estava na escolha do repertório.a sua visão de mundo e posição política estavam nas opções pelas letras.a sua bondade estava no modo de cantar,de olhar e de se comportar em cena.O seu espirito cristalino e a sua religiosidade estavam nas características do seu estilo de cantar,vestir-se e mover-se num palco.Você era o que fazia porque só fazia o que a representava."
Texto de Artur da Távola Amiga 1983

"A alma dos diferentes é feita de uma luz além.Sua estrela tem moradas deslumbrantes que eles guardam para os pouco capazes de os sentir...entender...Nessas moradas estão tesouros da ternura humana...de que só os diferentes são capazes!"
Texto de Artur da Távola

Hoje,relembrando essa grande mulher,desejamos um Feliz Dia Internacional daquelas que são guerreiras,e,simplesmente:mulheres!