Blog Clara Nunes: Agosto 2018

13 agosto 2018

Canal TV Brasil- programa completo com a cantora BRANKA



Homenagem a Clara Nunes | Programa completo

Uma das maiores intérpretes do país completaria 76 anos em 2018

BRANKA 

Todas as Bossas

No AR em 11/08/2018 - 22:00

12 de Agosto- aniversário de 76 anos

                                               Foto  acervo pessoal: Marcio Guima


CANTORA

Clara Nunes será tema da Portela no Carnaval de 2019

Mineira será tema da Portela no Carnaval de 2019 e ganha samba de grupo da escola formado só por mulheresDiminur letra

PUBLICADO EM 13/08/18 - 03h00

Mangueirense de coração, Paulo César Pinheiro cedeu aos apelos de sua mulher depois de enxergar, na sala de sua casa, ilações entre o altar ali montado por ela e os símbolos da Portela. O pombo de asas abertas, representando o Espírito Santo, tornou-se uma águia, enquanto o manto da santa negra reproduzia as cores azul e branca da agremiação. Ainda assim, Pinheiro recorreu a Mario Duarte para conseguir terminar a tarefa. O resultado foi o samba que se transformou em esquenta para os desfiles da escola durante o Carnaval carioca. 
“Portela na Avenida” seria gravada pela mulher insistente em 1981. Seu nome: Clara Nunes. Em 2019, será a vez de a Portela retribuir a homenagem a Clara. Pela primeira vez, a intérprete será o único tema de enredo da maior vencedora do Carnaval carioca. Em 1984, a escola levou o título com o samba “Contos de Areia”, mas, na ocasião, além de Clara, Paulo e Natal da Portela também foram saudados.
“A Portela fará um desfile lindo, Clara vai reviver na avenida, porque nunca nos esquecemos dela”, afirma Monarco. A fala do veterano portelense vai ao encontro de depoimento da própria homenageada, reproduzido no documentário “Clara Estrela” (2017), de Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir. “O único lugar que sei que serei sempre lembrada é na Portela”, declara a mineira de Caetanópolis nas imagens do filme.

Guerreira. Outra novidade é o fato de um grupo formado exclusivamente por mulheres disputar a escolha do melhor samba-enredo. O Samba das Guerreiras conta com dez integrantes, entre elas Meri de Liz, Ana Quintas e Catia Guimarães, que pertencem à ala de compositoras da escola. 
Há cinco anos abrindo a tradicional feijoada da Portela com um tributo à cantora, Ana exalta um recorde de Clara: graças ao disco de 1971, ela se tornou a primeira mulher no país a ultrapassar as 100 mil cópias vendidas, vencendo os tabus e os preconceitos da época. 
“A Clara foi uma guerreira, e, para nós, é mais do que justo participar de um ano que vai relembrar uma mulher tão forte”, garante Ana, que aproveita o passado para se referir ao hoje. “‘Sororidade’ é a palavra do momento, uma mulher puxando a outra e elevando nossa capacidade”, completa a compositora. Nessa linha, outra integrante do conjunto preparou uma iniciativa cinematográfica. No dia 13 de setembro, Rozzi Brasil lança, na quadra da Portela, o curta-metragem “Procuram-se Mulheres”, sobre a invisibilidade feminina na sociedade brasileira. 
Por sinal, foi por meio das filmagens que a história do Samba das Guerreiras começou. “Reuni pessoas que admirava no set de filmagem e, para a parte musical, chamei a Meri de Liz, que toca violão, e a Dayse do Banjo”, conta Rozzi. Unidas, as instrumentistas fundaram o conjunto, que pretende vencer a competição para emplacar a música na avenida. 
O mote é “Na Madureira moderníssima, hei sempre de ouvir cantar uma sabiá”, alusão a versos da música “Sabiá”, de Chico Buarque e Tom Jobim, mas, também, a “Um Ser de Luz”, parceria de João Nogueira com o viúvo de Clara lançada por Alcione em 1983, um ano após a morte da intérprete. 
Encontro. Recém-chegada ao Rio, o encantamento de Clara com a Portela foi “espontâneo e apaixonado”, nas palavras de Monarco. Embora tenha registrado músicas de mangueirenses célebres como Cartola e Nelson Cavaquinho, a paixão pela escola de Candeia e outros bambas foi inevitável. “Clara chegou a sair no carro da escola, puxando samba, mas gostava mesmo era de brincar o Carnaval no chão”, garante ele, que conheceu Clara, primeiro, pelas ondas do rádio. 
“Eu a ouvi cantando ‘Você Passa Eu Acho Graça’ (Ataulfo Alves e Carlos Imperial), fiquei impressionado com aquela voz e pensei: ela ainda vai para a Portela. E deu certo”, rememora o cantor. Ao todo, Clara gravou três canções de Monarco: “Jardim da Solidão”, “Vai, Amor” e “Rancho da Primavera”. “Ela foi a nossa maior cantora”, conclui o carioca. 

10 agosto 2018

Começa o 13º Festival Cultural Clara Nunes em Caetanópolis-MG , terra natal da mineira


Acompanhe as informações sobre o Festival no link abaixo:




A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, texto


A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto




A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

A imagem pode conter: 2 pessoas, texto



A imagem pode conter: 1 pessoa, texto



A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto


A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, texto

Nenhum texto alternativo automático disponível.


A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto



TV Brasil Show homenagem sábado dia 11





Homenagem a Clara Nunes

Uma das maiores intérpretes do país completaria 76 anos em 2018

Todas as Bossas

No AR em 11/08/2018 - 22:00


Este ano a música brasileira completa 35 anos sem Clara Nunes. Mas a morte prematura da cantora não impediu que sua voz permanecesse na memória afetiva do brasileiro. O canto da sábia ainda ecoa e segue inspirando diferentes gerações de artistas, como Branka. A cantora curitibana mostra, nesta homenagem do Todas as Bossas, a força dessa inspiração. 
Clara e Branka partilham a mesma história. Nascidas em Minas Gerais e Paraná, respectivamente, começaram a carreira cantando outros gêneros musicais. Somente após mergulharem nas rodas e escolas de samba cariocas, é que emergiram sambistas de corpo e alma. Branka e Clara são os dois lados de um reflexo separado pelo tempo e unido pelo samba.
No repertório, o público confere sucessos da artista, como "Você passa e eu acho graça" (Carlos Imperial/Ataulfo Alves), "Conto de areia" (Toninho Nascimento/Romildo), "Menino Deus" (Mauro Duarte/Paulo César Pinheiro), "O mar serenou' (Candeia), entre outras.
No palco, Branka canta ao lado de Carlinhos 7 Cordas (violão 7 cordas), que também é diretor musical do espetáculo, Fernando Brandão (viola/cavaco), Papau, Dinho Rosa e Daniel Karin (percussões e vozes).
Repertório: 
1- É doce morrer no mar  (Dorival Caymmi/ Jorge Amado)
2- Lama (Mauro Duarte/ Paulo César Pinheiro)
3- Você passa e eu acho graça (Carlos Imperial/ Ataulfo Alves)
4- Nação (Paulo César Pinheiro/ João Bosco/ Aldir Blanc)
5- Tristeza e pé no chão (Armando Fernandes)
6- Menino Deus ( Paulo César Pinheiro/Mauro Duarte)
7- Clarice (Caetano Veloso/Capinan)
8- Quando vim de Minas (Xango da Mangueira)
9- Feira de Mangaio (Sivuca/ Glorinha Gadelha)
10- Mae África (Sivuca)
11- Menino Velho (Toninho Nascimento/ Romildo)
12- Ê Fusuê (Toninho Nascimento/ Romildo)
13- O mar serenou (Candeia)
14- Conto de areia (Toninho Nascimento/Romildo)
16- Portela na Avenida (Paulo César Pinheiro/ Mauro Duarte)

Portela divulga logotipo do enredo sobre Clara Nunes

Portela divulga logotipo do enredo sobre Clara Nunes

A Portela será a terceira escola a desfilar na segunda-feira de Carnaval com o enredo 'Na Madureira moderníssima, hei sempre de ouvir cantar uma Sabiá'

Rio - A diretoria da Portela divulgou, no sábado, durante a Feira Carnavália-Sambacon, o logotipo do enredo para o Carnaval 2019, quando a agremiação homenageará a cantora Clara Nunes.
Simultaneamente, a agremiação também lançou as camisas oficiais, que estarão à venda na Feijoada da Família Portelense de agosto, no próximo sábado. Na ocasião, a escola também vai celebrar o aniversário de Clara, que nasceu em 12 de agosto.
Jornal O Dia